Exibir tudo

Por Tatiane Milani (mestranda – Unisinos)

Trazemos a obra “E o Verbo se fez rede: Religiosidades em reconstrução no ambiente digital” de autoria de Moisés Sbardelotto, doutor em Ciências da Comunicação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos. É também colaborador do Instituto Humanitas Unisinos (IHU).

Sbardelotto traz na obra os resultados da profunda pesquisa realizada na construção de sua tese de doutorado, em que mostra ao leitor um trabalho de reflexão sobre o complexo fenômeno religioso em um ambiente de midiatização. O eixo central se desdobra a mapear e analisar as experiências religiosas sobre o catolicismo nas plataformas sociodigitais (Facebook e Twitter), a fim de perceber as reconfigurações e articulações do católico em rede.

O livro é organizado de modo claro, em que inicia com a construção da pesquisa, bem como tensionamentos, problemática e articulações teóricas para situar o objeto de pesquisa. O autor traz uma rica abordagem problematizadora sobre a relação entre sociedade, tecnologias e a produção de sentido que se coloca na esfera da rede em circulação. Para isso traz as especificidades de uma sociedade em midiatização e a forma como o catolicismo brasileiro tenta se colocar diante de uma rede de fiéis que está constantemente conectada. Ainda na primeira parte do livro trabalha o conceito de midiatização digital da religião fazendo relação com o ambiente digital no qual a Igreja Católica se insere e o fenômeno religioso.

A obra é rica em detalhes e descrições que vão marcando os momentos históricos da entrada da Igreja Católica nas redes sociodigitais, as dificuldades enfrentadas pela instituição para se adequar à complexidade das redes, um mapeamento teórico, que situa a construção dos sentidos do católico construídos em rede.

Na segunda parte, Sbardelotto se detém a especificar e descrever os ambientes em que ele analisou as experiências colocadas em rede, que suscitam construções sobre o catolicismo e o ser católico que fogem de um controle institucional, como quando acontecia antes das redes. Para essas exemplificações, o autor organiza o material de forma a entender os processos midiáticos de circulação do católico, a partir das experiências postas em rede. Os processos são observados em níveis suprainstitucional (conta @Pontifex_pt no Twiiter); institucional (página da Rádio Vaticano – Programa Brasileiro no Facebook); em nível socioinstitucional (página Jovens Conectados no Facebook); e em nível minoritário católico (página Diversidade Católica no Facebook).

Na terceira parte do livro o autor se debruça a mostrar as especificidades dos observáveis, em que retoma as reflexões teóricas articulando com uma análise crítica dos processos presentes na midiatização digital da religião. Também faz uma profunda reflexão sobre a reconstrução do “católico” e os sentidos que nascem das interações em rede, e ainda traz uma reflexão sobre a ideia do que é o amador-leigo e sobre o que são “heresias comunicacionais”.

Uma das metodologias usadas para a construção do livro foi o uso de entrevistas realizadas com membros dos quatro níveis observados. Essas entrevistas trazem as respostas para os questionamentos. Sem dúvida, é um ponto a ser destacado, pois dá clareza ao que está sendo exposto, bem como demonstra uma pesquisa avançada que não deixa lacunas quanto ao posicionamento de cada nível analisado. Sobretudo, com a entrada das entrevistas é possível entender processos comunicacionais, em especial do nível suprainstitucional e institucional, que somente um contato direto possibilitam revelar como acontecem os processos comunicacionais dentro de uma instituição marcada por tantas lacunas.

Por fim, as conclusões indicam que a circulação do “católico” em rede é um processo complexo e que não se esgota nos exemplos analisados. Mas indicam a “irrupção do novum católico”, que ocorre “em condições socioeclesiais específicas”. Sbardelotto também destaca que as relações em rede constituem novas modalidades de comunidade, sendo ubíquas e instantâneas, “dispersando ritos introdutórios ou graus de pertencimento, em que a conexão é suficiente como ‘sinal’ de filiação” (p. 347).

Detalhes Técnicos

ISBN: 9788535643022

Páginas: 400

Edição: 1

Idioma: PORTUGUES

Formato: (15,5 x 23,0)

Lançamento: 2017

 

Ficou interessado? Adquira a obra no <<<site da Paulinas>>>.

Sobre a autora da resenha

Tatiane Milani é mestranda pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação pela Unisinos e graduada em Comunicação (Jornalismo) pela UFSM campus de Frederico Westphalen. Desenvolve pesquisas com ênfase em temas como: mídia e religião, Igreja Católica, Papa Francisco, midiatização, circulação e imagem.

mm
Mídia, Religião e Sociedade
O "Mídia, Religião e Sociedade" se dedica à promoção de conteúdo acadêmico sobre o tema Mídia e Religião. Conheça pesquisadores da área, acesse entrevistas, artigos, livros e teses no site.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *